Porque os modelos de negócio maduros estão ameaçados e a ingenuidade pode ser um aliado para os negócios inovadores

Sempre que trabalho com startups tenho uma enorme satisfação em ouvir ideias e sonhos entusiasmados de negócios inovadores e de grande impacto. Mas as startups normalmente têm um importante componente adicional: a ingenuidade.

Visto que as ideias ainda estão sendo amadurecidas e testadas, há um baixo entendimento dos obstáculos que estão por vir. As hipóteses de monetização costumam ser frágeis, há problemas de regulamentação, aceitação do mercado, e muitas outras dificuldades a serem descobertas.

Surge a partir desta visão ingênua a oportunidade de criação de soluções simples, disruptivas e completamente diferentes das soluções existentes no mercado tradicional. As startups que dão certo sabem aproveitar o benefício da ingenuidade – criam novas soluções, inovam, experimentam, quebram a cara, realimentam o modelo, revisam as soluções com agilidade, evoluem e prosperam.

Enquanto isso, as empresas tradicionais já não tem mais o benefício da ingenuidade. A ingenuidade já fora superada há anos e em seu lugar há modelos mentais bem estabelecidos, cultura e valores arraigados, traumas de experiências anteriores e preconceitos. Isso gera um ambiente de aversão a riscos e dificuldade em inovar.

Além disso, elas vivem um dilema importante: como inovar sendo que posso destruir um modelo que foi construído durante anos ou décadas? A “vaca leiteira” está bem amadurecida e rendendo frutos, porque vou acabar com esta fonte de lucros a partir de uma inovação que pode falhar?

Mas enquanto as empresas tradicionais buscam equacionar este difícil dilema, o tempo passa e a concorrência digital vem cada vez com mais força e velocidade, cada vez mais ameaçadora.

Os melhores projetos em que trabalhei em empresas tradicionais eram aqueles em que o cliente buscava evolução, experimentação e aprendizado. Tivemos a oportunidade de redesenhar completamente os processos de negócio a partir da implantação de software. Isso requer coragem, mas vale a pena.

As empresas tradicionais precisam trabalhar em uma mudança cultural para assumir maiores riscos, e assim conseguirem evoluir. Ao mesmo tempo, existem formas de garantir a coexistência do modelo tradicional – com a sobrevivência das “vacas leiteiras” – e ao mesmo tempo criar novos modelos mais ágeis, inovadores e com menos aversão a riscos. Há modelos organizacionais e arquiteturas próprias para chegar lá. Abordaremos este tema nos próximos posts.

Categorias: Sem categoria

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *